Navegação

 

Uma das principais funções enquanto Nutricionista é ajudar as pessoas a encontrar as suas intolerâncias alimentares, para que recuperem saúde e se sintam melhor novamente.

 

E quando se trata de “culpados” que causam sintomas de intolerância alimentar, aposto que já está a adivinhar um dos mais comuns: glúten. 

No entanto, é muito importante entender a diferença entre uma sensibilidade ao glúten e a condição auto-imune conhecida como doença celíaca.

 

O que é intolerância alimentar?

Se já teve sintomas como gases e inchaço, dores de cabeça, dor nas articulações ou fadiga nas horas ou dias após a ingestão de determinados alimentos, está familiarizado com a intolerância alimentar!

 

Como já expliquei aqui, uma reacção negativa a certos alimentos pode fazer com que sinta um mau estar constante, criando uma resposta imune no seu corpo. E quando o seu sistema imunológico permanece activo regularmente, o resultado é inflamação crónica.

Este é o grande problema, porque a inflamação a longo prazo pode prejudicar e muito a sua saúde!

Esta inflamação pode levar a sintomas desconfortáveis ​como ganho de peso persistente, problemas de pele e problemas digestivos, como também pode desempenhar um papel em distúrbios auto-imunes e outras condições graves de saúde.

 

A diferença entre intolerância ao Glúten e doença Celíaca

A intolerância ao glúten e a doença celíaca têm duas coisas importantes em comum:

  1. Ambos tendem a ocorrer em famílias

  2. Ambos podem levar a inflamação crónica e efeitos graves à saúde.

Estudos mostram que o risco de desenvolver doença celíaca é aumentado por certos genes que desempenham um papel crítico no sistema imunológico. Além disso, a frequência de intolerância ao glúten demonstrou ser maior em parentes de primeiro grau de pessoas com doença celíaca.

No entanto, saber se tem doença celíaca ou intolerância ao glúten é vital para determinar os seus próximos passos para a melhoria do bem-estar, bem como quão vigilante precisa de ser para evitar o glúten.

Pense nisto desta forma…

Para entender melhor como comer glúten quando tem intolerância ao glúten pode ser prejudicial, pense nisso como uma pedra presa no sapato.

No início pode nem perceber. Mas se continuar a caminhar sobre aquele seixo repetidamente, eventualmente ele começará a magoar.

E se não remover essa pedra do sapato, com o tempo, isso pode levar a outros problemas – alguns dos quais podem ser realmente graves.

Por outro lado, quando consome glúten e tem doença celíaca, é como pisar um prego. Os efeitos são visíveis imediatamente e causarão danos sérios se não agir em breve!

Tem intolerância ao glúten ou é celíaco? Vamos detalhar a ciência básica e relembrar os sintomas mais comuns para os dois…

O que é doença celíaca?

A doença celíaca é um distúrbio auto-imune que geralmente ocorre em famílias e é desencadeado pela ingestão de glúten. Em pacientes com doença celíaca, a exposição ao glúten faz com que o corpo lance uma resposta imune que ataca o intestino delgado, resultando em danos imediatos.Os sintomas da doença celíaca são numerosos e podem ser potencialmente fatais. Embora os sinais e sintomas possam variar, aqui estão algumas das queixas gastrointestinais mais comuns: 

  • Diarreia ou obstipação
  • Fezes gordurosas
  • Perda de peso
  • Gás e inchaço
  • Dor abdominal
  • Náusea e vómito

Mas como a doença celíaca é uma condição auto-imune e afecta seriamente a saúde intestinal, ela também pode afectar vários outros sistemas no seu corpo! Isso ocorre em parte porque pelo menos 70% do seu sistema imunológico está alojado no trato digestivo, juntamente com importantes neurotransmissores e hormonas.

Além disso, a doença celíaca pode estar associada a outros distúrbios, incluindo inúmeras doenças auto-imunes. De facto, estudos mostram que aproximadamente 25% das pessoas com doença celíaca foram diagnosticadas com uma ou mais condições auto-imunes adicionais! Com o tempo, as pessoas com doença celíaca podem ter muitos outros sintomas: 

  • Enzimas hepáticas anormais
  • Má absorção de micronutrientes
  • Anemia por deficiência de ferro
  • Ansiedade, depressão ou TDA (transtorno de deficit de atenção)
  • Fadiga
  • Osteoporose e outros problemas relacionados ao osso
  • Doença de pele
  • Coordenação e equilíbrio prejudicados
  • Fraqueza, dormência ou dor nas mãos ou nos pés
  • Baixo crescimento (em crianças)
  • Problemas com menstruação e/ou fertilidade em mulheres
  • Infecções pulmonares ou problemas respiratórios

Os sintomas da doença celíaca também podem mudar com o tempo e alguns pacientes com doença celíaca não apresentam nenhum sintoma.

O que é intolerância ao glúten?

Ao contrário da doença celíaca, a intolerância ao glúten não é mortal. Mas os problemas a longo prazo que causa podem ser igualmente perigosos!A intolerância ao glúten, às vezes chamada de “sensibilidade não celíaca ao glúten”, ocorre quando o corpo tem uma reacção negativa à ingestão de glúten. Alguns dos sintomas clássicos da intolerância ao glúten incluem: 

  • Dor abdominal
  • Gás e inchaço
  • Diarreia ou obstipação
  • Fadiga
  • Confusão mental
  • Dores de cabeça
  • Dores articulares ou musculares
  • Problemas de humor (ansiedade, depressão)
  • Problemas de pele (urticária, acne, rosácea, psocríase)
  • Dormência nas pernas ou braços
  • Anemia

Como pode ver, alguns desses sintomas são semelhantes aos do celíaco. No entanto, ao contrário da doença celíaca, consumir glúten não leva directamente a danos no intestino delgado em pessoas com intolerância ao glúten.

Em vez disso, comer glúten quando tem intolerância desafia o seu sistema digestivo e imunológico até que eles se comecem a decompor. Aqui está como isso funciona…

Quando a saúde do seu intestino é comprometida, seja por stress, infecção ou consumo de uma dieta não saudável, isso pode tornar o intestino mais permeável, enfraquecendo algo chamado “junções estreitas”. (Essas junções estreitas são responsáveis ​​por garantir que o trato digestivo funcione normalmente, incluindo todo o trabalho que ele faz para manter o sistema imunológico e o equilíbrio hormonal)

À medida que as junções estreitas começam a soltar-se e a desfazer-se ocorre um processo de doença chamado “intestino permeável”, então toxinas e alimentos parcialmente digeridos – incluindo as proteínas encontradas no glúten – podem escapar para a corrente sanguínea.Eles não deveriam estar lá! Isso faz com que o corpo lance uma resposta imune ao que parece ser “invasores perigosos”.

Como resultado, liberta uma cascata de produtos químicos inflamatórios. Com o tempo, a ingestão repetida de alimentos que o seu corpo não tolera, como o glúten, pode levar à inflamação crónica e a todos os problemas que o acompanham.A inflamação não só pode causar sintomas como ganho de peso, problemas intestinais, de pele e fadiga, como a longo prazo a inflamação também é um factor desencadeante em quase todos os principais problemas de saúde, do cancro ao diabetes tipo 2 e doenças cardíacas.

O que fazer com a doença celíaca e a intolerância ao glúten?

O tratamento primário para a intolerância ao glúten e a doença celíaca é o mesmo: evite alimentos que contenham glúten.No entanto, para alguém com doença celíaca, QUALQUER exposição ao glúten é perigosa, incluindo a ingestão de itens sem glúten fabricados em instalações que também processam trigo. Alguns pacientes relatam sintomas ao inalar altos níveis de glúten numa padaria ou café.

É por isso que é crucial estar vigilante e garantir que evite estritamente o glúten durante toda a vida se tiver doença celíaca.

Também é importante ter em mente que as pessoas com doença celíaca poderão ter intolerância ao milho. Isto ocorre porque o milho pode ser facilmente confundido com glúten no corpo, já que os dois têm estruturas proteicas semelhantes

Nota: Sendo a doença celíaca uma condição auto-imune, pode causar sérios problemas secundários. É essencial procurar atendimento especializado imediatamente se suspeitar que poderá sofrer da doença.

Se tem intolerância ao glúten em vez de doença celíaca, além de remover o glúten da sua dieta, é essencial identificar outras sensibilidades alimentares que possa ter e focar na cura e reparação do intestino.

A maneira mais fácil de fazer isso é usar uma dieta simples de eliminação, para fazer uma “limpeza” de três semanas, depois testá-los novamente um a um. O rastreamento dos sintomas ajudará a descobrir que alimentos são bons e quais devem ser eliminados.Ao continuar a curar seu intestino, poderá tolerar pequenas quantidades de glúten, caso não seja doente celíaco. 

 

 A Nutricionista
Marta de Carvalho

Registo PBS

Formulário

Trabalhe connosco

Formulário

Contactos

informacoes@saojoaodedeus.pt

217 987 700

Rua António Patrício, 25, 1749-098 Lisboa