Atendimento Médico Permanente

Funciona 24h/dia, 365 dias/ano e não é necessária marcação.

Como chegar? Saiba aqui

A Psiquiatria é uma especialidade médica que actua ao nível da prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação das diversas perturbações psiquiátricas, incluindo:

  • Perturbações Depressivas
  • Perturbações de Ansiedade, incluindo Perturbação de Pânico e Fobias
  • Esquizofrenia e outras psicoses
  • Perturbação Bipolar
  • Perturbação de Stress Pós-Traumático
  • Síndromes Demenciais com alterações psiquiátricas
  • Dependências de Substâncias
  • Perturbações de Adaptação
  • Perturbação Obsessivo-Compulsiva

Tal como todas as outras especialidades médicas, a abordagem do paciente baseia-se no modelo biomédico, assente na colheita de histórica clínica, agrupamento de sintomas, diagnóstico e proposta terapêutica. Os exames complementares de diagnóstico, como TAC ou Ressonância Magnética, assumem um papel potencialmente relevante nesta especialidade, mas a história clínica é sem dúvida o elemento mais importante para que se efectue um diagnóstico correcto e se proponha um tratamento eficaz. Neste contexto, as consultas de Psiquiatria deverão ter duração suficiente para que seja possível fazer um enquadramento biológico, psicológico e social do doente, no sentido de o compreender holisticamente e de assim dar uma melhor resposta às suas necessidades e expectativas.

A proposta terapêutica, em caso de existência de perturbação psiquiátrica com grande sofrimento psíquico, passa na maior parte dos casos por prescrição de medicamentos. Apesar de ainda existir a opinião generalizada de que as medicações psiquiátricas estão associadas a efeitos secundários extremamente severos e incapacitantes, é hoje um facto que a evolução científica recente permitiu criar medicamentos mais eficazes, com menor incidência de efeitos adversos, aumentando substancialmente a qualidade de vida do doente, sem prejudicar a sua capacidade de desempenhar uma vida activa e prazerosa. Para que tal aconteça é também indispensável a existência de um contrato terapêutico assertivo entre o paciente e o seu médico psiquiatra assistente, apenas possível através de:

  • Por parte do médico: comunicação clara do diagnóstico e esclarecimento médico compreensível sobre qual o mecanismo de acção, propósito e expectativas em relação aos fármacos prescritos
  • Por parte do paciente: colocação de questões, voto de confiança em relação ao tratamento proposto, adesão às consultas de seguimento e  partilha detalhada com o seu médico sobre os aspectos positivos e negativos do tratamento.

Paralelamente ao seguimento psiquiátrico, caso se justifique, o paciente poderá ainda ser referenciado para realização de psicoterapia ou seguimento por outras especialidades.  

José Ramos (Médico Psiquiatra)

 

Médicos: